Que Lei Que Nada

LIVRINHO DE PAPEL FINÍSSIMO LANÇA COLEÇÃO DE LITERATURA
Livro de Trelles é a primeira edição da série LÍTERA TARA


Na terça-feira da Bienal do Livro, 6/10, a partir das 18h, no bar Central, a LIVRINHO DE PAPEL FINÍSSIMO festefará a estréia de seu novo projeto editorial, voltado para prosa e poesia: a Coleção LÍTERA TARA.


Para a LIVRINHO, que já vem publicando zines, artes gráficas, quadrinhos e crítica desde o começo oficial de suas atividades, em janeiro de 2007, a literatura era um desejo antigo que agora se materializa. A série funcionará como a Olho de Bolso o faz para as expressões visuais: artistas da palavra convidados a publicar sua produção em livretos boníssimos, bonitos e baratos.


A obra de estréia da coleção é Que Lei Que Nada, primeiro livro de contos de Trelles, apelido e nome do “artista” que há em André Telles do Rosário, escritor e pesquisador. O livreto tem cinco contos, e colhe a primeira produção em prosa ficcional do autor, que já publicou três obras de poesia, Psiconáutica (2006), Vou-me embora pra Sorocaba! (2007) e Abraço (2009).


O livro surgiu de um comentário e, depois, do convite de Diogo Todé para publicar pela LIVRINHO. Todé leu Psiconáutica e gostou do livro, mas fez a ressalva que o achou muito “comportado”. Por isso Trelles escolheu fazer sua obra mais “suja” e “desbocada”, com temas caros ao universo do artista plástico: muito sexo e alguma violência, através de um olhar que enxuga a linguagem até seu limite iconográfico. Como diria Camilo Soares, assinando o prefácio: “…Trelles assume uma escritura dura, ríspida, pontiaguda que nem faca só lâmina. Suas frases são mínimas, sem sentimentalismo, sem frescura. Crueza e recrudescência”. A leitura de Que Lei Que Nada pode ser uma experiência violenta, mas também sarcasticamente bem-humorada e difícil de se largar pela metade.


A edição do livro é primorosa. Desde a capa em papel Marrakesh e as 32 páginas de miolo em marfim para a melhor ergonomia visual. A ilustração que abraça capa e contracapa é de Shima, adaptação da obra de Gustave Courbet, A Origem do Mundo, de 1857. Camilo Maia é o responsável pela concepção visual da série e da edição; Sabrina Carvalho na direção editorial e Leta Vasconcelos na produção executiva completam a equipe deste projeto. Durante o processo de feitura, André Telles do Rosário, doutorando em Teoria Literária na UFPE, acabou sendo convidado a participar do coletivo, para somar esforços nos projetos gráficos com literatura, entre outras necessidades.


Abraço

Haverá ainda, na mesma noite, o relançamento do livreto Abraço, o terceiro de poemas de Trelles, feito dentro do projeto Literatura na Hora, aprovado em seleção pública e executado durante o último Festival de Inverno de Garanhuns. Abraço foi feito para servir de contrabalanço a Que Lei Que Nada, e traz 16 poemas que já ganharam concursos ou estiveram em zines e blogs, mas que ainda não tinham sido publicados em conjunto numa obra impressa. É um livrinho muito simpático e bem “comportado”, no sentido “Todéano”.


Também estarão a venda os outros livretos do Literatura na HoraSó falta um, de Miró da Muribeca; Dez Em Canto Geral, de Valmir Jordão; e Meritocrático, de HVB. Além dos já conhecidos, com artes gráficas e quadrinhos, como os livrinhos da Coleção Olho de Bolso e os demais trabalhos da editora.

Serviço:

Lançamento da Coleção LÍTERA TARA,

da LIVRINHO DE PAPEL FINÍSSIMO EDITORA

Na terça-feira, 6/10, a partir das 18hs

No bar Central,

Rua Mamede Simões, 144 – atrás da Assembléia Legislativa de Pernambuco


Que Lei Que Nada R$ 5,00

Abraço – Só falta um – Dez Em Canto Geral – Meritocrático R$ 2,00


Contatos: 81 8777 0482 (André) / 8849 0126 (Leta) / 9467 0677 (Sabrina)

Email: livrinhoeditora@gmail.com

Tagged , , , , ,